Google Analytics Alternative
NOME NOME NOME NOME

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Neto suspeito de espancar e enforcar avó até a morte é preso em Goiânia


Jovem diz ter se irritado com um grito da idosa; vítima foi encontrada por parentes.
Um crime bárbaro chocou moradores do Setor Campinas, em Goiânia, na noite de ontem, 29. Na ocasião, um jovem de 24 anos, que não teve a identidade divulgada, foi preso suspeito de espancar e enforcar a avó de 76 anos, que não resistiu e morreu na casa onde morava na região.
De acordo com a Polícia Civil, o neto agrediu e enforcou a vítima até a morte alegando que cometeu o crime por ter se irritado com um grito que a idosa havia dado.
O caso é investigado pela Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), que até então, apura se o suspeito possui algum distúrbio psíquico, uma vez que a mãe dele informou que o mesmo sofria de esquizofrenia e no momento do crime não estava em sã consciência. A corporação aguarda laudos médicos que comprovem tal doença.
Além disso, o rapaz informou à polícia que é bipolar e ouviu vozes dizendo que a avó havia feito algo de ruim para ele.
Para os investigadores, existe uma controvérsia de que o suspeito sofra realmente algum distúrbio mental, uma vez que a bipolaridade só tem relação com a avó e não há relatos de desentendimentos com outras pessoas da família e/ou pessoas de fora.
Testemunhas relataram que esta não foi a primeira vez que o neto agrediu a idosa. O corpo dela foi encontrado dentro de casa por parentes, segundo informações da corporação.
O suspeito permanecia preso até o início da tarde desta sexta-feira, 30, na Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic).


POR YANA MAIA/DM
FOTO/JTI

Brincadeira entre amigos termina em tragédia em Rio Verde-GO


Autor do disparo disse à polícia que não sabia que a arma estava carregada.
Henrique Matias Henkes não resistiu (Foto/Reprodução)
Um jovem de 23 anos, identificado como Henrique Matias Henkes, morreu na madrugada desta sexta-feira, 30, após um amigo disparar uma arma de fogo acidentalmente contra ele, em Rio Verde. A Polícia Civil informou que o autor do disparo foi autuado em flagrante por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.
Conforme a corporação, no momento do acidente, o suspeito estava testando a arma dentro do carro em que ele e a vítima estavam, quando disparou por brincadeira em direção ao amigo, que foi alvejado. O autor disse aos policiais que não sabia que a arma estava carregada, pois havia tirado o carregador de balas. Segundo a polícia, a arma ainda continha uma bala antes de ser disparada.
Henrique foi levado ao Hospital Santa Terezinha pelo próprio amigo que o alvejou, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
DM

Moro converte prisão de Palocci em preventiva, por tempo indeterminado


Palocci é suspeito de receber propina para atuar em favor da Odebrecht. Ele e mais dois foram presos temporariamente na 35ª fase da Lava Jato.
Policci está preso na carceragem da PF em Curitiba (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)
O juiz federal Sérgio Moro converteu as prisões temporárias do ex-ministro Antônio Palocci e do ex-assessor dele Branislav Kontic, presos na 35ª fase da Operação Lava Jato, em preventivas. A prisão temporária de ambos venceu nesta sexta-feira (30) e diante desta decisão não há prazo para que deixem a prisão.
Moro não aceitou o argumento da defesa de que em período eleitoral não é possível fazer prisão preventiva. "Ocorre que os investigados Antônio Palocci Filho e Branislav Kontic já estão presos desde 26/09/2016. A decretação da preventiva na presente data apenas alterará o título prisional, sem alteração da situação de fato", explicou o juiz federal.
A defesa de Palocci lastimou a decisão, classificada por ela própria como "arbitrária", e disse que a conversão em prisão preventiva foi feita com base em "especulações sem qualquer argumento". (Veja mais abaixo a nota na íntegra).
Já ao ex-secretário da Casa Civil Juscelino Antônio, também preso na mais recente etapa da operação, foi concedida a liberdade. Ele deixou a carceragem da PF por volta das 18h30 desta sexta-feira. Todavia, deverá entregar o passaporte e está proibido de deixar o país ou mudar de endereço, sem informar a Justiça.
Os três estão detidos na carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba. De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, eles são suspeitos de agir em favor da empresa Odebrecht junto ao governo federal.
A decisão de Moro seguiu a linha dos pedidos da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.
“Ademais, considerando a causa das prisões preventivas, entre elas a prova, em cognição sumária, de que os investigados Antônio Palocci Filho e Branislav Kontic teriam intermediado o pagamento subreptício de milhões de dólares e de reais para campanhas eleitorais, inclusive para o pagamento de publicitários em conta secreta no exterior, o propósito da lei, de evitar interferência indevida nas eleições e proteger a sua integridade, parece ser mais bem servido com a prisão cautelar do que com a liberdade dos investigados", disse Moro no despacho.
Moro classificou a prisão cautelar como "remédio amargo", mas afirmou ser melhor do que "a contaminação da democracia".
"Embora a prisão cautelar seja um remédio amargo, é melhor do que a contaminação da democracia pela corrupção sistêmica. Em um determinado nível, a corrupção coloca em risco a própria qualidade de democracia, com afetação das eleições livres e do regular funcionamento das instituições. Trata-se de um retrato de uma democracia vendida. É nesse contexto que deve ser compreendido o emprego, na forma da lei e ainda pontual, das prisões preventivas na assim denominada Operação Lava Jato", afirmou o magistrado.
As suspeitas
Palocci é suspeito de receber propina da Odebrecht para atuar em favor da empresa, entre 2006 e 2013, interferindo em decisões do governo federal. Ele teve R$ 814 mil bloqueados em três contas bancárias e mais R$ 30 milhões de sua empresa de consultoria, conforme informou o Banco Central à Justiça Federal na quarta-feira (28). Moro havia determinado o confisco de até R$ 128 milhões.
O juiz também decretou o bloqueio de até R$ 128 milhões de Dourado e Branislav, mas os valores encontrados são menores do que os determinados.
Da mesma forma, a medida atingia as contas das empresas Projeto Consultoria Empresarial e Financeira Ltda e J&F Assessoria Ltda, que foram citadas nesta fase. Ainda segundo o juiz Sérgio Moro, a empresa de consultoria pertence a Palocci, e Juscelino Antônio Dourado é sócio da empresa J&F Assessoria Ltda.
Quando determinou o bloqueio, Moro afirmou que a determinação não impede a continuidade dos trabalhos das empresas, considerando que elas exerçam atividade econômica real.
A 35ª fase surgiu de uma planilha que foi apreendida na 23ª fase da Lava Jato, chamada de Acarajé, na qual foram presos o publicitário João Santana e sua mulher, Monica Moura, que fizeram campanhas eleitorais para o PT.
De acordo com o MPF, a planilha mostra valores ilícitos repassados a Palocci tanto em período de campanha quando fora dele. A planilha era chamada de “Posição Programa Especial Italiano” e usava, segundo investigadores, o termo “italiano” como codinome para se referir ao ex-ministro.
Depoimentos
Em depoimento prestado na sede da PF, na quarta-feira (28), o ex-secretário da Casa Civil Juscelino Antônio negou as acusações.
"Ele jamais recebeu qualquer valor em nome do Palocci ou de qualquer outro. Desde 2005, a atividade dele é eminentemente privada e não tem qualquer relação com políticos", disse o advogado Cristiano Maronna.
Na quinta (29), foram ouvidos Palocci e Branislav Kontic.
O ex-ministro negou que seja o "italiano", que é o apelido mencionado em documentos em documentos do suposto setor de propina da Odebrecht, segundo o advogado José Roberto Batochio.
Ele disse ainda que as conversas que mantinha com Marcelo Odebrecht eram institucionais. E também negou que tenha havido pedidos para aumentar a linha de crédito do BNDES para Angola, onde a Odebrecht tinha negócios.
Branislav respondeu todas as perguntas no depoimento e disse que é inocente, de acordo com o advogado Batochio.
Inquérito aberto
No dia seguinte a deflagração da 35ª fase da Lava Jato, a Polícia Federal emitiu uma portaria informando a abertura do inquérito para investigar as suspeitas.
Os agentes vão apurar obras suspeitas de irregularidades que foram citadas pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht – departamento cuja finalidade era pagamento de propina, de acordo com a investigação.
Entre as obras estão o metrô de Ipanema, no Rio de Janeiro, Linha 4 do metrô de São Paulo, construções de presídios, penitenciárias e casas de custódia no Rio, obras do Porto de Laguna (SC), do Aeroporto Santos Dumont, do autódromo de Jacarepaguá e das piscinas olímpicas do Pan-Americano de 2007, também no Rio de Janeiro. 
A defesa de Antonio Palocci e Branislav Kontic vem a público lastimar que, mais uma vez, seja praticada contra eles uma arbitrariedade em face da decretação de sua prisão preventiva. Tal decisão deu-se com base em especulações sem qualquer fundamento na realidade concreta dos fatos. Se não bastasse a falta de justificativas legais para a prisão preventiva, o artigo 236 do Código Eleitoral proíbe decisão que prive o cidadão do direito de liberdade no período eleitoral. A prisão provisória tem prazo definido em lei. Para prorrogá-la ou substituí-la por preventiva, é necessário novo decreto judicial, não se tratando de mera continuidade da prisão inicial.



Do G1 PR

Juíza suspende cassação da mãe de Wesley Safadão, candidata a vice


Suspensão vale até que decisão seja confirmada em instância superior. Na quarta-feira (28), candidatura havia sido cassada por abuso de poder.
Dona Bill, que teve a candidatura cassada na quarta, e o filho, Wesley Safadão, durante campanha em Aracoiaba, em 2012, no Ceará (Foto: Facebook/Reprodução)
A juíza eleitoral Cynthia Nóbrega Pereira suspendeu nesta sexta-feira (30) a decisão que cassou a candidatura da chapa de Antônio Cláudio, candidato a prefeito, e da mãe do cantor Wesley Safadão, Dona Bill, que disputa a vice-prefeita de Aracoiaba, no Ceará. Conforme a juíza, a suspensão é válida "até que a decisão seja confirmada em instância superior".
Na quarta-feira (28), a mesma juíza havia cassado a candidatura por abuso de poder econômico e político. Os candidatos da chapa recorreram da sentença, o que ocasiona a suspensão até que ocorra a decisão em instância superior.
A denúncia contra a candidata foi por abuso de poder e político. A cidade comprou ambulâncias, com verba pública, que foram anunciadas como doação particular de Dona Bill. 
Após a nova a decisão, que suspende a cassação e torna a chapa novamente elegível, Dona Bill comemorou nas redes sociais. "Somos fichas limpas, estamos aptos a disputar as eleições. A verdade prevalece", disse.
Em relação às denúncias, a mãe do cantor Wesley Safadão havia dito que sofria "golpes baixos". "Estamos sendo vítimas de vários tipos de golpes baixos, rasteiras e mentiras, com a intenção de desestruturar as nossas ações de campanha. Ações essas que visam o bem de todos os aracoiabenses."
"Será possível que trabalhar pelo nosso povo, melhorar os atendimentos de saúde no nosso sertão merece ser condenado e apeado da vitória?", questiona a mãe do cantor, em rede social.

G1-CE

Ex-marido de Fernanda Gentil, Matheus Braga publica foto no Instagram após notícia de novo relacionamento


Na manhã desta terça (30), Fernanda Gentil assumiu o namoro com a jornalista de Porto Alegre Priscila Montandon. Os fãs da jornalista da Rede Globo, é claro, desejaram felicidades ao novo casal. Em seu perfil pessoal no Instagram, o ex-marido da repórter, Matheus Braga, publicou uma foto ao lado do filho do ex-casal, Gabriel.
“Isso que importa e mais nada. Boa tarde a todos!“, escreveu o empresário nas redes sociais. Nos comentários, seguidores de Matheus encontraram uma “mensagem” do rapaz para a ex-esposa: “Entendedores, entenderão“, escreveu um jovem. “Recado dado“, comentou uma outra fã. 


MSN

'Estado de choque', diz mãe de brasileira morta em acidente com trem nos EUA


Eles souberam do acidente pelo marido de Fabíola; família viajou nesta sexta-feira (30) para os EUA
Fabíola morreu em acidente de trem nos EUA (Foto: Reprodução/Facebook)
A família da advogada brasileira Fabíola Bittar de Kroon, 34 anos, que morreu em um acidente de trem que deixou mais de 100 feridos nos Estados Unidos, viajou nesta sexta-feira (30) para buscar o corpo dela. Eles souberam do acidente pelo marido de Fabíola, que estava fora da cidade no momento quando foi notificado sobre a morte da esposa.
Fabíola era natural de Santos, no litoral paulista. Ela teve corpo identificado no começo da tarde. A filha do casal estava em uma creche. A vítima estava de pé na plataforma quando o trem número 1614 não conseguiu parar na estação de Hoboken e bateu no local.
Ao 'G1', Sueli Brittar, mãe da advogada, disse que a ficha ainda não caiu porque os fatos aconteceram muito rápido. "Agora, neste momento, a nossa prioridade é trazer o corpo da nossa filha de volta para o Brasil. Estamos embarcando para os Estados Unidos para agilizar o processo. Estamos em estado de choque", contou ao site.
O Itamaraty informou que ainda busca informações sobre vítimas brasileiras do acidente. Além da vítima fatal, mais de 100 pessoas ficaram feridos no acidente, pelo menos três em estado grave. Segundo agências de notícias locais, houve passageiros que ficaram presos nas ferragens, mas foram retirados posteriormente.

Ação flagra compra de votos com sacos de cimento em Santo Antônio/RN


A Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Federal cumpriram na manhã desta sexta-feira (30) mandados de busca e apreensão na casa de um candidato a vereador e do cabo eleitoral dele em Santo Antônio, cidade do Agreste potiguar. A ação, coordenada pelo Ministério Público Eleitoral, flagrou um esquema de compra de votos. Um dos pagamentos teria sido feito com uma caixa d'água e sacos de cimento.
Os mandados foram cumpridos na casa do vereador e de um cabo eleitoral dele. Na casa do cabo eleitoral que trabalha como padeiro, foram encontradas listas com nomes, numerações de títulos de eleitor e as seções eleitorais correspondentes a cada um. Na casa do candidato foi encontrada uma quantia de R$ 1.550,00 em notas de R$ 50. Para o MPE, o 'fracionamento de grande quantia de dinheiro 'representa prova segura da prática de captação ilícita de votos.
Na denúncia à Justiça Eleitoral, o Ministério Público pede a cassação do registro de candidatura do candidato e o pagamento de multa pelo mesmo. O promotor eleitoral da cidade pede aos eleitores que continuem apresentando denúncias, principalmente por meio do aplicativo "Pardal", já que a fiscalização vai ser intensificada no período final da eleição.
A investigação
As investigações envolvendo o candidato a vereador e o cabo eleitoral começaram na segunda-feira (26), após o MPE receber uma denúncia que denunciava o esquema. Durante as investigações, os procuradores visitaram a casa de uma eleitora que havia recebido uma caixa d'água e oito sacos de cimento para votar nele.
Durante os questionamentos, a mulher que recebeu o material disse que foi procurada pelo padeiro, que perguntou se ela já tinha candidato a vereador e se estava 'precisando de alguma ajuda'. Em seguida, ele teria dito que ela fosse pegar os produtos na casa de um morador da vizinhança.
Na casa desse morador, o MPE confirmou a versão da mulher. Uma neta do dono da casa informou que o material entregue a mulher foi deixado pelo homem. Durante a visita do promotor, o cabo eleitoral chegou até a casa e questionado, disse que havia ganho dinheiro em uma aposta e a caixa d'água se tratava de uma doação.
'Não doa nem pão'
Ainda durante as investigações, foram ouvidas a mulher, a mãe e a irmã do padeiro, que afirmaram que não sabiam de doações feitas por ele, relatando, inclusive, que ele não teria recursos financeiros para isso.
Segundo a denúncia apresentada pelo MPE à Justiça Eleitoral, a mãe do cabo eleitoral teria dito, que nem sequer pães ele doava. "No final do mês eu pago os pães que eu compro", teria dito. Na denúncia, ela continua: "Ele não tem nem pra ele quanto mais para dar".
Os mandados de busca e apreensão foram pedidos pela procuradoria após a irmã do cabo eleitoral apontar que ele teria ligação com o candidato. De acordo com a denúncia, a procuradoria considera que o candidato custeou os bens entregues a eleitora.


Foto:Whastsapp
Texto/G1

Justiça tem aplicativo para ajudar eleitor a localizar seção neste domingo


Criado para facilitar o acesso do eleitor brasileiro ao local de votação e aos postos de justificativa, caso esteja fora do seu domicílio eleitoral, o aplicativo “Onde votar”, desenvolvido pela Justiça Eleitoral, já está disponível para download gratuito na loja Apple Store e na loja Google Play. O software funciona como um guia que auxilia os eleitores que estão em dúvida sobre a zona ou seção em que votam.
 O utilitário permite uma consulta rápida do endereço dos locais de votação e dos postos de justificativa em todo o Brasil. Além disso, a Justiça Eleitoral vai disponibilizar outros 10 aplicativos para dispositivos móveis – smartphones e tablets (Android e IOS).
 Além do “Onde Votar”, já estão disponíveis para download os aplicativos: Mesários, Agenda JE, JE Processos, Candidaturas, Pardal, Resultados, Boletim na Mão e Eleições 2016.

Aplicativos
O aplicativo “Resultados” permite ao cidadão acompanhar, em tempo real, o resultado das eleições municipais. Já o “Boletim na Mão” faz com que qualquer cidadão acesse de forma rápida, segura e simplificada as informações contidas nos Boletins de Urna, documentos que são impressos após o encerramento da votação e afixados em quadros de aviso nas seções eleitorais.
O utilitário “Eleições 2016” oferece ao cidadão notícias, vídeos e acesso aos demais aplicativos desenvolvidos pela Justiça Eleitoral. O layout da ferramenta lembra a página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na internet. Ao entrar no programa, o cidadão poderá obter informações como a situação eleitoral, local de votação, justificativa eleitoral e transporte de eleitores, entre outras.


Tânia Rêgo/Agência Brasil

Mulher é presa por matar namorado e fazer fogueira com o corpo dele em MS


Foi presa pela Polícia Civil, Maria Delaídes da Silva, 49 anos, acusada de ter matado o namorado Luis Carlos da Silva, 40 anos, e ter feito fogueira com o corpo dele. O crime ocorreu na terça-feira (27), na chácara Santa Catarina, em Água Clara, distante 198 quilômetros de Campo Grande.
Conforme a Polícia Civil, depois de receber a informação de que havia ocorrido homicídio na zona rural, os policiais foram até o local e enquanto conversavam com a suspeita perceberam que havia uma fogueira queimando nos fundos da casa.
Os agentes, então, apagaram as chamas e perceberam que se tratava de uma ossada humana que queimava junto com uma montanha de madeira. Questionada, Maria acabou confessando que matou o namorado a golpes de machado na cabeça, colocou o corpo em uma carriola e levou até o quintal, onde ateou fogo usando gasolina e lenha.
Ela relatou que agiu em legitima defesa durante uma briga, em que a vítima pegou uma faca e a ameaçou de morte. Maria foi presa em flagrante e vai responder por homicídio e ocultação de cadáver.


Foto:Divulgação
Campo Grande News

Fernanda Gentil assume namoro com mulher


Fernanda Gentil surpreendeu nesta sexta-feira (30). A apresentadora da TV Globo assumiu o namoro com a jornalista Priscila Montandon. As duas estão juntas há três meses e viajaram recentemente para a Grécia.
“Estou só exercendo meu direito de ser muito, muito feliz. Tenho apenas um recado, e é para os meus filhos, que mais cedo ou mais tarde podem ler ou ouvir tudo por aí: Lembrem de não se importarem com tudo o que dizem sobre nossa vida. O que vale é que a mamãe fala com vocês em casa, olhando nos seus olhos”, disse ao jornal “O Globo”.
A âncora do “Esporte Espetacular” continuou seu desabafo: “Não é o que vestimos que muda quem somos, e sim o que fazemos. Lembrem também, sempre, do nosso amor, que não tem cor, sexo ou raça. Amo vocês”.
Vale lembrar que Fernanda terminou seu casamento de cinco anos com Matheus Braga em abril deste ano. Os dois são pais de Gabriel, de um ano.

MSN/Foto reprodução/Instagram

Preso o acusado de matar a mulher a machadadas em Macaparana Pernambuco


A recém nascida que estava sendo amamentada quase morria asfixiada no sangue da mãe, mas foi socorrida pela irmã de 7 anos.
Acusado de matar a esposa de 28 anos a machadadas, na frente dos filhos, no momento em que amamentava o mais novo deles, um bebê de apenas 3 meses, no município de Macaparana, na Mata Norte de Pernambuco, foi preso na manhã desta quinta-feira (29), no Estado da Paraíba. O crime ocorreu no dia 08 deste mês, no sítio São Miguel, situado na zona rural da cidade.
Após o violento crime cometido por Severino Julio Pereira, de 48 anos, natural de São Vicente Férrer,a recém nascida que estava sendo amamentada quase morria asfixiada no sangue da mãe, mas foi socorrida pela irmã de 7 anos, que fugiu com todos os irmãos por dentro do canavial, até a casa de um vizinho há vários metros dali.
De acordo com o delegado, que não detalhou sobre testemunhas alegaram que a vítima teria descoberto que o esposo abusava sexualmente de sua filha de sete anos de idade e ameaçou denunciá-lo. "Foi aí que ele resolveu matá-la", explicou Thiago Uchoa, contando que os vizinhos disseram que ele teria corrido para dentro da mata com uma corda para se enforcar, após o crime, mas acabou desistindo e se escondeu na cidade de Barra de Santana, na Região Metropolitana de Campina Grande, na Paraíba.
A prisão ocorreu após intensas buscas ao indivíduo pelo Departamento de Investigação da 44ª Delegacia de Polícia de Goiana e o apoio da Polícia Militar da Paraíba, sob o comando do delegado Thiago Uchoa - que também acumula a função de delegado titular da Delegacia de Macaparana.



Timbauba Noticias/ Blog do Anderson Pereira 

PF descobre esquema de troca de voto por 'bênção' ou 'maldição' em Feira de Santana-BA


Durante as investigações, a polícia também descobriu que o crime ia bem além do cadastramento de eleitores e a promessa de bênção ou maldição.
A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (30), uma operação para coibir crimes eleitorais que estavam ocorrendo no município de Feira de Santana. Segundo a investigação, um candidato a vereador vinculado a uma igreja evangélica estaria captando votos de forma ilícita.
Ainda de acordo com a PF, o candidato e o grupo a ele vinculado estariam cadastrando eleitores fiéis da igreja, com a promessa de abençoá-los, e amaldiçoavam aqueles que se recusavam a fornecer seus dados constantes do título eleitoral.
Os nove mandados de condução coercitiva e oito de busca e apreensão estão sendo cumprindo por cerca de 40 policiais na cidade. Chamada de Operação Simão, a investigação começou há cerca de um mês, a partir de requisição do Ministério Público Eleitoral.

Investigação
Durante as investigações, a polícia também descobriu que o crime ia bem além do cadastramento de eleitores e a promessa de bênção ou maldição. A prática também incluía a distribuição de alimentos em comunidades carentes para reunir eleitores. Investigadores  identificaram, ainda, um esquema de favorecimento na marcação de exames e consultas médicas pelo SUS àqueles que prometiam seu voto ao candidato.
Também foi descoberta a venda de votos em lote por parte de uma liderança comunitária local e outro candidato à Câmara Municipal.
Os investigados responderão pelos crimes previstos nos artigos 299 e 334 do Código Eleitoral, que preveem penas de prisão, multa, e até mesmo cassação dos registros de candidatura.
O nome da operação, 'Simão', vem do codinome utilizado pelos policiais para se referir ao principal investigado, uma referência ao Apóstolo de Jesus Cristo.


Correio

Com carro apropriado de locadora e pistola carregada, homem é detido na Grande Natal


Foto: Divulgação/PRF
A Polícia Rodoviária Federal realizou a detenção de um homem que estava com uma pistola e dirigia um carro obtido irregularmente de locadora de veículos. Contra ele também havia dois mandados de prisão em aberto, emitidos no Mato Grosso, por receptação de veículos.
O flagrante ocorreu em Ceará-Mirim, na BR-406, quando uma equipe da PRF fiscaliza. Ao abordar o VW Gol, que estava com três ocupantes, os policiais descobriram que havia boletim de ocorrência registrado em Recife/PE por apropriação indébita daquele carro, que fora alugado em junho deste ano e não devolvido. Os PRFs também encontraram uma pistola Taurus, calibre 380, além de 14 munições.
Todos foram levados para a delegacia de Polícia Civil de Ceará-Mirim, onde continuaram as pesquisas sobre os indivíduos. Foi descoberto que o motorista, um homem de 37 anos que estava com a arma, tinha dois mandados de prisão em aberto no Mato Grosso e um dos passageiros já havia cumprido pena por roubo de veículos. Contra o outro passageiro não havia registro.A investigação está a cargo da delegacia de Polícia Civil de Ceará-Mirim.

[VÍDEO] Imagens de câmera de segurança mostram ação de atirador que matou candidato e feriu vice de GO


O vídeo de uma câmera de segurança registrou o momento em que um atirador dispara contra o candidato a prefeitito de Itumbiara, Zé Gomes (PTB) e o vice-governador José Eliton (PSDB). Nas imagens, divulgadas nesta quinta-feira (29) pela Polícia Civil, é possível ver quando o criminoso se aproxima de carro da carreata onde estavam os políticos e atira contra o grupo (veja vídeo abaixo). O homem atingiu quatro pessoas e acabou morto por seguranças.
As imagens mostram que a ação durou cerca de 10 segundos. “Nesse intervalo de tempo o atirador desce do carro em que ele estava, começa a atirar contra a carreata e os seguranças revidam a agressão e o matam”, disse o delegado geral adjunto da Polícia Civil, Marcelo Aires Medeiros.
No vídeo é possível ver que o atirador, identificado pela Polícia Civil como Gilberto Ferreira do Amaral, servidor público da prefeitura, aguarda a passagem dos primeiros carros da carreata. Ao ver que o caminhão com os políticos se aproxima, o criminoso desce do veículo e começa a atirar contra o grupo.
“Foram dados 13 tiros. Sete deles atingiram o carro, dois o policial militar Vanilson [João Pereira], um o vice-governador, um o candidato a prefeito e um o advogado Célio Rezende”, disse o delegado.
O PM e o candidato Zé Gomes morreram. José Eliton e o advogado Célio Rezende sobreviveram e estão internados no Hospital de Urgências Governados Otávio Lage de Siqueira (Hugol), mas não correm risco de morte. O atirador foi baleado por seguranças e também morreu.
Atentado político
O secretário de Segurança Pública em exercício de Goiás, coronel Edson Costa, afirma que o atentado foi político. Segundo ele, “independente da motivação, essa definição não vai mudar”.
Ainda conforme o secretário, o tiroteio atentou contra direitos políticos. “A configuração e características do delito foram a perpetração contra direitos políticos e o processo eleitoral. Foi um ato contra a soberania, contra o estado de direito e ao direito político. O atirador descarregou a arma e tinha um carregador sobressalente. Se não fosse a ação pronta do cabo Vanilson e outros seguranças, a situação poderia ter sido pior.”, disse.
Costa pontuou ainda que nenhuma linha de investigação é descartada pela Polícia Civil.




G1-GO