Google Analytics Alternative
NOME NOME NOME NOME

terça-feira, 15 de novembro de 2016

A incrível história do amputado por choque que construiu braço com sucata



Inventor autodidata de Fortaleza, que é surdo de nascença, construiu próteses com peças descartáveis e utensílios domésticos; trabalho impressiona até especialistas.
José Arivelton Ribeiro teve o braço direito amputado e desenvolveu habilidade com a mão esquerda para produzir próteses (Foto: Rafael Luis Azevedo/BBC)
A vida de José Arivelton Ribeiro nunca mais foi a mesma depois de 5 de setembro de 2012. Naquele dia, a energia da lojinha de eletrônicos da família, em Fortaleza, foi cortada por falta de pagamento.
Como ninguém sabia quando a luz iria voltar, Arivelton decidiu retirar a antena de TV da loja para usá-la em casa. Pendurou-se na janela, no segundo andar, e cometeu um erro quase fatal.
Por descuido, a antena tocou um fio de alta tensão. A descarga de 18 mil volts arremessou Arivelton para dentro da sala, e chegou a derrubar a iluminação dos postes da região.
O choque feriu o pescoço e a língua de Arivelton, e também comprometeu o braço direito, que precisou ser amputado na altura do antebraço.
Seria mais um obstáculo na vida desse cearense de 48 anos, que nasceu surdo e não aprendeu a falar. Mas rendeu uma bela história de dedicação.
Ari, como é conhecido, passa boa parte do dia enfurnado numa oficina de quintal. Em meio a peças recolhidas em depósitos e na cozinha da mãe, colocou na cabeça: irá construir a prótese mais barata existente, para devolver movimentos a si e a qualquer amputado como ele.
Em pouco tempo, ele produziu duas próteses do braço direito, uma mecânica e outra elétrica, e já trabalha na terceira, que deseja ser computadorizada. "Meu sonho é ajudar as pessoas", diz Ari à BBC Brasil, sempre com ajuda da mãe na tradução.
Próteses foram feitas com peças descartáveis e partes de utensílios domésticos (Foto: Rafael Luis Azevedo/BBC)
O inventor autodidata, que se comunica por meio de sinais com a mão remanescente, construiu as próteses com peças descartáveis e partes de utensílios domésticos.
Sua primeira criação tem o antebraço em cano de PVC e tampa de panela; o punho é um bico de secador de cabelo; os dedos são canos de alumínio, acionados por elásticos de prender dinheiro; e a palma da mão exibe uma borracha, para garantir aderência ao segurar objetos.
Bastou um mês de trabalho, ainda no ano do acidente. Ao todo, Ari investiu R$ 400, até 20 vezes menos do que uma prótese similar no mercado.
A inspiração veio em vídeos na internet. O braço, porém, não é fixo, como a maioria das próteses mecânicas. O punho é flexível e ele aciona os dedos com movimentos no ombro esquerdo. Era a independência que o inventor buscava.
Cotidiano
Com o mesmo braço que sempre usou, Ari agora corta pão, pega copos e até dirige seu carro. E não se trata de um veículo automático, mas um Fusca com câmbio daqueles que pedem força para passar a marcha - com a mão direita, diga-se de passagem.
"Meu filho é muito independente. Se a gente resolve se meter a ajudar, toma bronca. As cuecas, por exemplo, ele aprendeu a lavar com uma mão só", relata Maria do Socorro Ribeiro, aposentada de 66 anos.
Apesar da perda do braço, Ari tem uma vida independente. Até dirige seu carro, um Fusca (Foto: Rafael Luis Azevedo/BBC)
A prótese, claro, não pode ser molhada, então foi preciso improvisar outros jeitinhos no dia a dia. "No banho, lavo a axila esquerda com o polegar da mão esquerda", conta Ari.
Mas o inventor não se dá por satisfeito. "No mesmo dia em que terminei a primeira prótese, já queria fazer uma mais moderna", diz.
Na escala evolutiva das próteses de braços, o degrau seguinte de uma mecânica é a elétrica. Nela, o movimento dos dedos é acionado por uma bateria, com comandos feitos com a outra mão ou por meio de eletrodos que captam os impulsos dos nervos na região da amputação.
O inventor leu sobre isso em tutoriais na internet e decidiu fazer sua prótese elétrica. Em oito meses, o dispositivo estava pronto. Bem mais moderno que o primeiro.
Novo invento
Ari construiu um braço que, com acionamento mecânico a partir do ombro, movimenta os dedos por corrente elétrica. A energia é enviada a partir de uma bateria de nobreak, através de um motorzinho de janela de carro.
O material da segunda criação é ainda mais rudimentar do que o da primeira. No antebraço há um copo de coquetel, tubo de extintor de incêndio e pedaços de panelas. Os dedos são correntes de bicicleta, ligados à mão por meio de colheres.
Próteses feitas por José Arivelton Ribeiro surgiram numa oficina de fundo de quintal em Fortaleza (Foto: Rafael Luis Azevedo/BBC)
"Passei a chamar meu irmão de 'Exterminador do Futuro', porque a prótese parece a de um ciborgue", brinca José Rusivelton Ribeiro, o Russo, de 46 anos, dono de academia de ginástica e braço direito - literalmente - de Ari.
O irmão o ensinou a usar serra e solda para moldar peças. Isso possibilitou uma flexibilidade ainda maior no punho e nos dedos da prótese. O inventor, contudo, não gostou do resultado final: os materiais não eram ideais e o braço ficou com 4 kg, o dobro de um modelo com funções similares.
Agora, Ari está trabalhando em uma prótese semelhante à segunda, porém mais leve. Tanto a segunda quanto a terceira deverão custar menos de R$ 2 mil, até 15 vezes mais baratas do que uma convencional nesse patamar.
Para produzir suas invenções, Ari investe parte de sua aposentadoria por invalidez (R$ 880) e dos bicos que faz consertando TVs e computadores em casa. "Acho linda a força de vontade dele", afirma a mãe.
A lojinha de eletrônicos, antigo sustento da família, foi vendida no dia do acidente. O trauma foi grande para todos, e emociona os parentes até hoje.
Uma quase tragédia
O pai de Ari, José Auri Ribeiro, comandou durante mais de três décadas a Eletrônica O Louro, a 100 metros de casa. O mais velho dos cinco filhos começou a trabalhar aos sete anos, e logo herdou a habilidade no conserto de televisores. Até que o pupilo superou o mestre. "Ele ficou muito melhor do que eu", afirma Auri, eletrônico de 72 anos.
Em prótese de Ari, cada fio de ferro se conecta com elásticos que movimentam cada dedo, numa ponta da prótese. Na outra, os ferros ficam ligados à estrutura que se prende ao ombro oposto. Quando ele movimenta o ombro, puxa os ferros e os elásticos e, entã (Foto: Rafael Luis Azevedo/BBC)
Aquele final da tarde de setembro de 2012, data que a família não esquece, sumiu da memória de Ari. "Eu apaguei. Não me lembro de nada."
Sorte que ele estava acompanhado da mãe, técnica de enfermagem. "Fiz massagem cardíaca e respiração, então o coração voltou a bater", relembra Socorro.
Ari foi socorrido de carro a uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento), onde esperou por cinco horas. A alternativa, conta a mãe, foi atendê-lo numa ambulância, e depois transferi-lo a um hospital no centro da cidade, a 10 km de distância.
"Com poucos dias, a mão começou a necrosar, então meu irmão chamou os médicos e pediu a amputação no antebraço, onde ficou um machucado em forma de anel, para não correr o risco de perder o braço inteiro", relata o irmão Rusivelton.
Quinze dias depois de quase perder a vida, Ari recebia alta. "Quando o vi pela primeira vez, segurei o choro para não deixá-lo triste. Só que ele estava tão bem - parecia que tinha arrancado um dente, e não um braço - que aquilo me deu força", diz o irmão.
Ímpeto criativo
Ari mora com a mãe e a filha Sara, numa casa simples no bairro boêmio da Varjota. Conheceu a mulher, Zenaide, também surda, na escola para pessoas com deficiência auditiva. Mas ela partiu cedo, aos 34 anos, em 1998, vítima de câncer de mama.
O cearense nasceu com perda total da audição, limitação constatada quando ainda era bebê. Ao longo da infância e da juventude, aulas de Libras (Língua Brasileira de Sinais), no Instituto Cearense de Educação de Surdos, minimizaram dificuldades de comunicação com os pais e os irmãos.
Porém, a condição financeira prejudicou o desenvolvimento da fala, o que talvez fosse possível através de fonoaudiologia. "Como nunca ouviu, ele não consegue fazer nenhum som", explica a filha, Sara Ribeiro, universitária de 24 anos.
Ari ao lado da filha, da mãe e do irmão: família às vezes precisa frear 'ímpeto criativo' do inventor autodidata (Foto: Rafael Luis Azevedo/BBC)
Os pais de Ari se separaram pouco antes do acidente - hoje Auri mora em Fortim, a 135 km de Fortaleza. Socorro se divide com a neta, e também com o filho Rusivelton, no suporte ao filho mais velho. Essa atenção é importante, sobretudo para "controlar" o ímpeto criativo de Ari.
"Dia desses, ele viu em um vídeo um cientista tentando fazer um motor de carro funcionar com água. Ele quis fazer o mesmo, só que deu uma explosão danada em casa. Minha mãe me ligou desesperada, para convencê-lo a parar com essas coisas", diz o irmão.
Ari volta e meia se acidenta - já cortou a mão esquerda com seus equipamentos. "Quando bota uma coisa na cabeça, meu pai às vezes fica obcecado. Então a gente tem de estar sempre de olho, para colocar um freio", confidencia Sara.
Sua história de vida sensibilizou o dono de uma empresa de próteses de Sorocaba (SP). Dele, Ari ganhou duas próteses elétricas, de R$ 15 mil e R$ 30 mil, além de R$ 10 mil para investir em seu trabalho.
Com os presentes, Ari conseguiu renovar a carteira de motorista, já que a legislação de trânsito não permite a um amputado dirigir com prótese sem avaliação de segurança. Agora, não há mais o risco de ser parado em alguma blitz.
Ari Ribeiro com prótese de R$ 30 mil que ganhou de empresa; ele continua usando suas invenções, pois prótese tem apenas três dedos e não possui mobilidade no punho, algo que sua invenção de R$ 400 oferece (Foto: Rafael Luis Azevedo/BBC)
Hoje ele se divide entre uma das próteses que recebeu e a primeira que produziu, dependendo da necessidade. Isso porque uma das próteses que recebeu, apesar de mais moderna, não tem mobilidade no punho.
Quando uma das peças doadas deu problema, o inventor não teve dificuldade para abri-la e consertá-la. Em casa, Ari é considerado o "gênio" da família - avaliação compartilhada até por especialistas.
Futuro
A reportagem da BBC Brasil apresentou Ari aos donos de uma empresa de próteses de Fortaleza. Os irmãos Roberto e Carlos Henrique Enéas ficaram impressionados ao conhecer os inventos.
"Esperava ver algo muito mais simples. É incrível que algo assim seja feito numa oficina", diz Roberto, fisioterapeuta e protético, de 34 anos.
Não existe um curso superior no Brasil que ensine a produzir próteses de membros superiores ou inferiores. Há cursos técnicos, que capacitam profissionais de saúde para atuar no ramo.
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem cerca de 500 mil amputados no país. Apesar disso, reforça Roberto, também não há uma produção nacional de próteses, mas somente pesquisas isoladas em centros acadêmicos.
Por isso, as próteses usadas no Brasil são todas importadas, de companhias como a alemã Ottobock, e adaptadas por empresas sob a necessidade do paciente. Dessa forma, Roberto assegura: o que Ari cria num quartinho em Fortaleza está à frente de tudo que é feito no país.
Especialista em próteses se disse impressionado ao conhecer próteses feitas por Ari (Foto: Rafael Luis Azevedo/BBC)
"Esse cara é um gênio. Guardadas as devidas proporções, é um Miguel Nicolelis sem aparato tecnológico à disposição", afirma Roberto, referindo-se ao cientista paulista que é referência mundial em neuroreabilitação.
Para o fisioterapeuta, duas coisas sinalizam o avanço das invenções do cearense: a flexibilidade do punho e um sensor instalado na ponta do dedo médio da segunda prótese, que evita que o aperto de mão passe do ponto.
"Usei uma lata para calcular a força necessária. Se a lata amassa, é porque machucaria a mão da pessoa", explica Ari.
"Só recentemente as próteses passaram a ter esses dois recursos, e somente um único modelo no mundo, que custa R$ 200 mil", indica Carlos Henrique, administrador de 38 anos. "Ele aplicou ideias complexas a componentes simples."
Rafael Luis Azevedo 
De Fortaleza para a BBC Brasil

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentarios aqui publicados não expressam a opinião do blog