NOME NOME NOME NOME NOME

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Advogado é baleado na cabeça pelo filho enquanto dormia e morre em Goiânia-GO



O advogado Idis Paulo de Queiroz, de 70 anos, morreu nessa quinta (26),em Goiânia.Ele foi internado após ser alvejado na cabeça pelo próprio filho, Idis Junior.O crime aconteceu na madrugada da quarta feira (25) em Jataí-GO.O advogado estava dormindo quando recebeu os tiros.Ele foi inicialmente encaminhado ao Hospital Municipal de Jataí e em seguida transferido para o Instituto do Rim, no Setor Oeste, em Goiânia.
O presidente da seccional goiana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-GO), Lúcio Flávio, expressou, por nota, seu pesar e destacou a carreira do jurista. "Sua deixará uma lacuna imensa, difícil de ser preenchida. Os méritos do nobre colega o tornaram uma figura ímpar dentro do Direito em Goiás e não haverá homenagens o suficiente para expressar todo nosso carinho e gratidão". Formado na Universidade Federal de Goiás (UFG), Idis foi um dos fundadores da OAB de Jataí, em 16 de junho de 1979.

Caso
A Polícia Civil confirmou que Idis Junior usou a arma do pai para cometer o crime. A esposa do advogado estava no quarto no momento do disparo e acionou o socorro. Após efetuar os disparou, Idis Junior ficou na casa e se entregou à polícia.
De acordo com o titular do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Jataí, delegado Elexandre Cezar Rossignolo, Idis Junior estava com uma carta escrita à mão no momento em que foi preso. No texto, ele explica que matou o pai porque se sentia repreendido e controlado desde criança, razão pela qual passou a usar maconha. O autor do crime conta também que o pai o internou para tratamento algumas vezes contra sua vontade.
“Ele disse em depoimento que ficou sabendo que o pai iria interna-lo de novo e não queria ficar longe da filha de oito meses”, afirma Elezandre. Ainda segundo o advogado, o suspeito termina a carta dizendo que praticou o crime para que a filha não ficasse traumatizada pelo resto da vida com a sua ausência, como ele ficou com o pai.
Com a morte do advogado, Idis Junior deve ser indiciado por homicídio qualificado consumado, que tem previsão de 12 a 30 anos de reclusão.

Mais Goiás

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentarios aqui publicados não expressam a opinião do blog