NOME NOME NOME NOME NOME

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

'Não vou aguentar', disse policial antes de morrer em assalto a ônibus em Salvador



Jaílson César dos Santos Mendes, 43 anos, foi baleado no rosto ao reagir ao assalto e morreu a caminho do Hospital Geral Roberto Santos.
Policial estava no ônibus a caminho do trabalho, na 53ª CIPM, em Mata de São João (Foto: Tailane Muniz)
"Eu não vou aguentar, eu vou morrer", disse o policial Jailson César dos Santos Mendes, 43 anos, após ser baleado em um assalto a ônibus no início da manhã desta sexta-feira (13), na Avenida Paralela, na altura do bairro do Imbuí, em Salvador.
Ao lado dele, o motorista do coletivo, do Consórcio Integra, tentava acalmá-lo: "Não, você não vai morrer, não. Fique firme, abra os olhos. Você não vai morrer, você vai aguentar", contou o supervisor do consórcio, que preferiu não ser identificado. Mas o policial estava certo. Ele morreu antes de dar entrada no Hospital Geral Roberto Santos (HGRS).
Jaílson era lotado na 53ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Mata de São João), onde estava havia 15 anos. Equipes da Força-Tarefa da Secretaria da Segurança Pública (SSP) que investigam mortes de policiais já ouviram seis pessoas que presenciaram o crime. Testemunhas contaram que dois homens, um deles aparentando ser adolescente, entraram no coletivo na região do Iguatemi e anunciaram o assalto na Avenida Paralela, próximo ao supermercado Extra.
"Segundo as testemunhas, no momento que o roubo foi iniciado, o militar reagiu e acabou atingido por disparos de arma de fogo. Chegamos no local do crime às 7 horas, pouco depois da ocorrência do fato, e obtivemos importantes detalhes que certamente nos ajudarão na elucidação do caso”, explicou o coordenador da Força-Tarefa, delegado Odair Carneiro.
Sogra da vítima, a autônoma Rosimeire Augusto dos Santos, 52, contou que o policial estava casado há dez anos com a filha dela e tinha um filho de 7 anos. "Está doendo muito. Ele era um menino do bem, um pai de família, um policial pacato, cheio de amigos e colegas que agora estão despedaçados. Era como um filho para mim, um homem exemplar", lamentou. 
A família recebeu a notícia pela comandante da 53ª CIPM, onde o policial trabalhava, por volta das 6h20. "Ele estava indo para o trabalho, não tinha carro", informou a sogra. Familiares da vítima como o pai, um tio policial, esposa e irmãos estiveram no hospital. Eles estavam bastante abalados e não quiseram falar com a imprensa. "Era um policial tranquilo. Com certeza não esperava passar por isso um dia. Nem parecia que era policial, era bem tranquilo", completou a sogra.
Em nota, a Polícia Militar lamentou a morte do soldado. “É muito doloroso perder um irmão de farda que, mesmo antes de assumir o serviço, colocou em risco a própria vida para defender a sociedade. A corporação está enlutada”, lamentou o comandante-geral da PM, coronel Anselmo Brandão.
Ainda conforme a PM, o sepultamento do soldado Jailson será realizado às 11 horas deste sábado (14), no cemitério Bosque da Paz, em Salvador.
De acordo com informações da corporação, em 2017 foram dois policiais militares mortos, que não estavam de serviço, e em 2016 foram 23 PMs mortos, sendo que três deles estavam de serviço.  

Correio24hs

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentarios aqui publicados não expressam a opinião do blog