NOME NOME NOME NOME

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Médica encontra 'tampão' dentro de mulher no Piauí 20 dias após o parto



Educadora física teve o parto realizado na Maternidade Evangelina Rosa.'Minha mulher chorou muito com a situação, foi humilhante', disse ex-jogador.
Após cesariana, ginecologista encontra tampão de pano dentro de mulher (Foto: Reprodução/Facebook)
Um casal denunciou em redes sociais que após 20 dias do nascimento do filho, foi encontrado um "tampão" (um tecido utilizado para estancar sangramentos pós-parto) dentro da mãe. O ex-jogador de futebol Erivaldo Veloso contou que após a mulher passar mal em casa, a levou ao Hospital Geral do Buenos Aires, onde detectaram o problema.
“Ela estava sentindo muita dor e não conseguia urinar. Já tinham se passado 20 dias desde o nascimento do nosso filho e ela não melhorava. Levei ela ao Hospital do Buenos Aires e quando a ginecologista foi examinar, achou o tampão do tamanho de uma fralda dentro dela. Minha mulher chorou muito com a situação, foi humilhante”, contou.
Por meio de nota, a maternidade afirmou apenas que o caso está sendo investigado.
Assustada, a educadora física Thamara Macêdo contou que a ginecologista que a atendeu no Hospital do Buenos Aires explicou que é normal colocarem um tampão para estancar o sangramento, mas que ele deveria ter sido retirado no prazo máximo 24 horas depois do nascimento do filho.
“Foram 20 dias horríveis. Me sentindo mal, sentindo um mau cheiro em mim e não sabia o que era. Saí da maternidade (Evangelina Rosa) sem nenhum tipo de informação. Não me falaram do tampão, não me falaram quando devia voltar para retirar os pontos, nem marcaram o meu retorno após o resguardo. Apesar disso, achei que estava saudável. Meu medo era que eu tivesse pego uma infecção e só descobrisse quando não tivesse mais jeito”, relatou.
Na publicação realizada no perfil pessoal do ex-jogador no Facebook, que já tem mais de 2,8 mil reações e 1.078 compartilhamentos, Erisvaldo relata o fato e demostra indignação com a Maternidade Dona Evangelina Rosa, local onde o filho nasceu. Segundo ele, o que houve foi uma negligência do local.
“Estamos revoltados. Eu, minha esposa, nossa família, nossos amigos entendemos que o que houve foi uma irresponsabilidade, uma falta de atenção e cuidado com a paciente. E se tivesse acontecido o pior? A maternidade tem que assumir o erro e sofrer as consequências”, disse.
Em nota a Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER) informou que foi acionado o Núcleo de Segurança do Paciente e os profissionais que estiveram presentes no procedimento irão discutir o caso. Ressaltaram ainda que a Instituição trabalha com transparência e que ao final da avaliação informará o que de fato ocorreu.


Do G1 PI

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentarios aqui publicados não expressam a opinião do blog