NOME NOME NOME NOME

domingo, 14 de maio de 2017

Com 72 anos de atraso, carta com mensagem de amor é entregue ao destinatário



Foto/Reporodução
Rolf Christoffersen, um antigo marinheiro norueguês, de 96 anos, que vive na Califórnia, Estados Unidos, recebeu, esta semana, uma carta de amor que lhe foi enviada em 1945 pela sua mulher, já falecida, noticiou a CNN.
A mulher, Virginia, enviou a carta em 04 de maio de 1945, a partir de Nova Jersey, onde moravam, para o navio do marido, que estava atracado em Port-of-spain (Trinidad e Tobago), mas a missiva nunca chegou ao destino, tendo sido devolvida à procedência.
A carta permaneceu então escondida na casa durante todos estes anos e só foi encontrada recentemente, com o envelope ainda selado, pelos seus atuais proprietários, Allen Cook e a sua filha Melissa, enquanto faziam reformas no imóvel.
"O envelope estava velho e amarelado. Nunca o tinham aberto. Foi incrível quando o meu genro começou a ler. Na carta ela falava do bebé que ia ter", contou Cook à CNN.
A carta foi encontrada numa rachadura do teto, acreditando-se que tenha caído do andar de cima.
Melissa recorreu a Internet na tentativa de encontrar pistas sobre o nome do destinatário da carta -- Rolf Christoffersen -- e descobriu uma coincidência em Santa Barbara, Califórnia.
Tratava-se de um filho de Christoffersen, de 66 anos, com o mesmo nome.
"Alguém ligou para o meu escritório. Tinham ido procurar no Google o meu nome -- que é igual ao do meu pai. Melissa perguntou-me onde tinha nascido e eu disse-lhe. Contou-me sobre a carta. Foi assim que aconteceu", descreveu à televisão norte-americano o homem que ainda não tinha nascido quando a sua mãe escreveu e enviou a carta.
"Fiquei muito surpreendido ao fim de todos estes anos. Estava muito contente por uma saber que existia uma carta desse género. Ainda estou emocionado", reagiu o pai ao ver a missiva da mulher, Virginia, falecida há seis anos.
"Amo-te Rolf como amo o sol quente e isso é o que significas na minha vida, o sol em torno do qual gira tudo o resto para mim", dizia a carta.


DN

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentarios aqui publicados não expressam a opinião do blog