NOME NOME NOME NOME NOME

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Luiz Melodia morre aos 66 anos no Rio de Janeiro



De março a junho deste ano, ele esteve internado no Hospital Quinta D'Or para tratar uma doença autoimune
(Foto: Divulgação)
Morreu na manhã desta sexta-feira (4) o cantor e compositor Luiz Melodia. Aos 66 anos, o músico carioca lutava contra um câncer derivado de um mieloma múltiplo, tipo de doença autoimune. O tratamento começou em julho do ano passado, mas em março deste ano Melodia precisou ser internado no Hospital Quinta D'Or, no Rio de Janeiro.
Na época, a assessoria do artista informou que o tratamento de quimioterapia feito no hospital "resultou em uma baixa glicemia e acidez sanguínea". "Por esse motivo ele se encontra internado no CTI. Luiz permanecerá internado para que as sessões de quimioterapia sejam realizadas com maior segurança e na sequência fará um autotransplante de medula, que é o único tratamento com resultado efetivo", dizia o comunicado. Em maio, ele foi submetido ao transplante e no fim de junho pôde voltar para casa. A recuperação do artista vinha se dando de forma progressiva, segundo amigos e familiares. 
Afastado dos palcos desde então, Melodia ainda viveu outro drama enquanto esteve internado. Sua casa no Rio de Janeiro foi assaltada em maio, no mesmo dia da realização do transplante. Quatro bandidos renderam o filho dele e um amigo e ainda levaram parte do acervo do artista. 
Em entrevista ao jornal Extra na época, a esposa do músico, Jane Reis, se mostrou desolada com a perda. "Tinha tudo nesse computador. Os 40 anos de carreira de Luiz Melodia estavam inteiros lá: a biografia em inglês, todos os releases, do “Pérola Negra” até hoje, parte da passagem dele pela Europa, além de toda a discografia e de todas as músicas. O acervo inteiro se perdeu. Acho que vai dar para recuperar, mas vai ser um inferno. Prefiro nem ficar tão irritada agora, por conta da situação médica do meu marido", contou.
O último trabalho do cantor, Zerima, foi lançado em 2014 e apresentado em Salvador em janeiro de 2015. Na época, Melodia foi nomeado cidadão soteropolitano, e já tinha quase três anos sem fazer shows na capital baiana.  O cantor, que se dizia "baioca", mistura de baiano e carioca, era casado com a baiana Jane Reis há 40 anos.
Zerima foi o primeiro de inéditas do cantor, em 13 anos. Mas também trazia regravações de grandes clássicos, como Maracangalha, de Dorival Caymmi. Outra música que remete à Bahia, estado com o qual Melodia sempre manteve proximidade, é Moça Bonita, composta pela mulher dele, com sua batida de sambas de roda do Recôncavo.

Correio

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentarios aqui publicados não expressam a opinião do blog