NOME NOME NOME NOME NOME

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Bancária é suspeita de encomendar morte de cunhada amiga de infância



O crime ocorreu em 19 de agosto. A vítima se casaria em outubro e a mandante do crime seria madrinha.
A morte de Ana Paula Ramos, de 25 anos, em Campos dos Goytacazes (RJ) parece cena de novela. E nesta terça-feira (5/9) ganhou um novo capítulo. Um áudio entregue à polícia reforça que o crime antes tratado como latrocínio, foi um homicídio encomendado, por R$ 2 mil, pela bancária Luana Barreto Sales, de 24 anos, amiga de infância, cunhada e madrinha de casamento da vítima.
O crime ocorreu em 19 de agosto. Ana Paula se casaria em outubro. Segundo o jornal Extra, a suspeita convidou a noiva para ir a um shopping ver o vestido que usaria no casamento. Depois, chamou a cunhada para tomar um sorvete numa praça do bairro. O pedido — uma banana split — era o sinal para assassinos de aluguel executarem o plano.
Dois homens teriam forjado um assalto e dado tiros em Ana Paula, que levou três tiros no peito e um na cabeça. “Parecia um crime exagerado para latrocínio, e começamos a investigar”, explicou o delegado Luiz Maurício Armond, titular da 146ª DP, à publicação.
Dois dias depois do crime, quando a universitária teve a morte cerebral decretada, um intermediário responsável por contratar os matadores e os próprios executores foram presos. Um deles confessou que Luana encomendou a morte da amiga. Durante uma roda de orações que familiares de Ana Paula faziam no hospital onde a universitária estava internada, Luana foi presa.
Nesta terça-feira, uma amiga de Luana entregou uma gravação em que a suspeita tenta criar um álibi para justificar a ida de Ana Paula ao local onde acabou morta. No áudio, Luana pede para a amiga mentir sobre o dinheiro pago aos assassinos.
Ainda não se sabe qual foi a motivação do crime. A suspeita vai responder por homicídio triplamente qualificado (morte mediante pagamento ou por motivo torpe, dificuldade de defesa da vítima e feminicídio). A pena pode chegar a 30 anos de prisão.

Familiares
Nas redes sociais, o pai de Ana Paula se manifestou. No texto, pediu para que as pessoas parem de incitar qualquer tipo de violência física e verbal contra a família da suspeita.” Servimos a um Deus vivo, forte e poderoso. Em nossos corações não há espaço para violência, sentimos a dor dos pais da Luana Sales e pela família de todos os envolvidos. Deixem que a justiça venha de Deus. Minha filha nunca iria aprovar essa atitude”, escreveu.
Via Metrópoles

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentarios aqui publicados não expressam a opinião do blog