NOME NOME NOME NOME NOME

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Mãe de grávida morta com tiro diz que não desconfiou do genro preso suspeito do crime: 'Eu o defendia'



Pecuarista afirma que dava força para empresário quando ele era vítima de boatos que seria autor do crime; ela conta que filha queria se separar. Crime ocorreu em Ivolândia, GO.
Nilva diz que nunca desconfiou do genro e até o defendia de acusasões na cidade (Foto: Arquivo pessoal/Nilva Soares)
Mãe da representante comercial Vanessa Camargo, morta aos 28 anos com um tiro na cabeça, a pecuarista Nilva Camargo Soares, 49, disse que nunca desconfiou do genro, o empresário Horácio Rozendo de Araújo Neto, de 35, preso suspeito do crime. A todo tempo, ele afirmava que a mulher, grávida de 3 meses, havia sido assassinada em um assalto quando o carro da família foi abordado por criminosos, em Ivolândia, região central de Goiás.
O que deixa Nilva ainda mais incrédula em relação ao que ocorreu é que, após a morte, vários boatos começaram a colocar Horácio como autor do crime em virtude da versão dada por ele, classificada como "incoerente" pela polícia. Mesmo assim, ela não via o empresário como culpado e até o apoiou.
"Eu não desconfiei. Ele era bonzinho, não tinha atrito. Eu até o defendi. Ele chorava e dizia que não tinha sido ele, que ele era inocente. E eu e minha família acreditamos", disse.
Vanessa foi morta no último dia 31 de julho. Na ocasião, o marido alegou que o carro onde o casal e o filho, de 2 anos, estavam saiu de Iporá, onde moravam e seguiam para Goiânia, quando foi abordado pelos criminosos em uma moto. A versão dele é que a esposa foi baleada na cabeça por reagir ao assalto.
Vanessa foi morta com um tiro na cabeça em estrada vicinal de Ivolândia (Foto: Reprodução/Facebook)
Horácio foi preso na quarta-feira (6), em casa. De acordo com a Polícia Civil, ele manteve o que havia dito no dia do crime. Nilva se disse ainda mais assustada com a situação porque, um dia antes, o homem foi até a casa da sogra para fazer ver o filho, que está morando com a avó desde a falecimento de Vanessa.
"Eu o recebei em casa. Ele estava normal. Até comentamos que a polícia estava meio devagar com a investigação", lembra.
Vontade de separar
De acordo com Nilva, o casal estava junto havia 7 anos entre namoro, noivado e casamento. No entanto, nos últimos meses, Vanessa comentou sobre a vontade de se separar do marido motivada pela influência do sogro no relacionamento.
"Eles nunca tiveram nenhum episódio de violência. Ele sempre foi um cara pacífico, nunca alterou a voz. Mas deixava o pai decidir muito o que os dois fariam da vida e isso a chateava", destaca.
O que teria mudado o desejo, conforme a mãe, era a nova gestação. Depois do primeiro filho, a jovem estava esperando uma menina, seu grande sonho. Ambos ficaram muito felizes e isso fez com que ela tentasse manter o casamento.
Dor e medo
Por causa da prisão, Nilva disse que vai entrar na Justiça solicitando a guarda definitiva do neto. Ela diz que não quer que o garoto conviva com o pai e ter receito de que o empresário possa fazer algum mal à criança. "Ele teve coragem de matar a mulher gravida, imagina o que pode fazer com meu neto", lamenta.
A mãe diz que não consegue entender o que teria motivado o genro a cometer o crime. A resposta à essa questão é algo que, segundo ela, vai deixá-la viver de forma sossegada.
"Para mim dói demais. Há 40 dias que penso dia e noite no que aconteceu. Não tem justificativa. É uma pergunta que eu queria que ele respondesse. Quem e por que. Quem eu já sei. Agora preciso saber o porquê", desabafa.
Crime
Para a polícia, Horácio disse que trafegava pela GO-060 quando foi abordado por dois homens armados em uma moto, cerca de 15 km depois de Iporá. O empresário parou e um dos criminosos assumiu a direção do carro. O assaltante pegou o sentido contrário da via, sendo seguido pelo comparsa dele.
Segundo a versão do marido, Vanessa discutiu com o condutor e levou um tiro na cabeça. Em seguida, a dupla fugiu sem levar nada. Conforme a polícia, Neto pegou o filho e foi até a estrada pedir ajuda. A mulher não resistiu.
O delegado Ramon Queiroz, responsável pelo caso, disse que, apesar da negativa de Horácio, várias provas apontam que o empresário, de fato, cometeu o crime.
"A versão dele desde o início apresentava várias incoerências. Os laudos periciais e depoimentos de testemunhas corroboram que não havia outra pessoa na cena do crime e que ele pode ser o responsável", disse.
Vanessa Camargo estava com a família no carro quanto foi assassinada (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

G1-GO

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentarios aqui publicados não expressam a opinião do blog